sexta-feira, 4 de junho de 2010

Poema


SOU OU NÃO SÃO


Entre o fio da sanidade,
o sano e o insano,
o santo e o profano,
há em que se definir?


Sendo a vida passageira,
o aprendiz de todo instante,
segue,
vivendo a vida afinal.

2 comentários:

Diniz! disse...

Parabéns pela sensibilidade e pelo dom de encaixar tão bem as palavras. Lindo poema!

Rosa da Rosa disse...

Obrigada Diniz!